Publicado em 6 de novembro de 2018 às 14:18

Mesa redonda sobre resíduos de biomassa inicia debates do 8º Encontro de Química Verde

A primeira mesa redonda do 8º Encontro da Escola Brasileira de Química Verde, que começou nesta terça-feira (06/11) e segue até quarta-feira (07/11), no ISI Biomassa (Instituto Senai de Inovação em Biomassa), em Três Lagoas (MS), debateu o aproveitamento de matérias primas e materiais em correntes de resíduos de biomassa.

Antes de iniciar as discussões, o pesquisador da Embrapa Instrumentação, José Manoel Marconcini, realizou uma apresentação explicando que a valorização dos resíduos de biomassa por meio das transformações químicas destes recursos é uma oportunidade para o fortalecimento sustentável de cadeias do agronegócio brasileiro com base nos conceitos de biorrefinaria e bioeconomia.

“O que temos de lembrar é que quando temos cadeias produtivas agrícolas, precisamos pensar de forma global. Todos os produtos agrícolas estão ligados ao setor industrial. Isso, aliado a pesquisa. Basicamente temos na área de biomassa a parte de matérias primas resíduos dos processos ligados às matérias primas. Precisamos olhar o aproveitamento de produtos e resíduos de cadeias agrícolas, de carnes, de pesca. Tudo isso pode fazer muita diferença”, ressaltou José Marconcini.

Em seguida, foi a vez do professor de bioquímica da UNB (Universidade de Brasília), Fernando Araripe, explicar o que é e como funciona a biologia sintética, utilizando o filme de ficção científica “O Dia em que a Terra Parou” para fazer uma analogia. “Nesse filme, aparece um disco voador e os primeiros a irem ver foi o Exército, seguido pelos jornalistas. Por último foram os engenheiros, que quiseram desmontar todo o disco voador para entender como cada peça funciona. É assim que funciona a biologia sintética, precisamos descontruir para, a partir daí, construir algo novo e hoje temos bactérias que produzem biomassa”, salientou.

Com uma apresentação sobre processos, o professor do Instituto de Química de São Carlos, Antônio Aprígio da Silva Curvelo, comentou que não é possível falar no assunto sem conhecer matéria prima, resíduo e produto. “Independentemente do grande trabalho feito pela ciência, da grande disponibilidade de biomassa ou de organismos vegetais e animais que nosso país produz, considerando o setor industrial, devemos ser mais pé no chão. Se queremos que a biomassa represente um item de importância para a economia brasileira, precisamos nos ater a um processo economicamente viável e que tenha sustentabilidade ambiental”, reforçou.

Para finalizar, o pesquisador da Embrapa Instrumentação, Luiz Alberto Colnago, defendeu a importância da discussão da Escola Brasileira de Química ser no ISI Biomassa, instituto que tem como objetivo atender a indústria. “Acho que nossos alunos das universidades precisam se preparar para o empreendedorismo. Hoje, vemos que os nossos alunos estão sendo preparados para se tornarem professores, mas com o que aprender na academia, podem facilmente colocar em prática algumas pesquisas e processos, que fortalece também a indústria brasileira”, concluiu.

Leia mais no site www.fiems.com.br ou pelo link http://www.fiems.com.br/noticias/mesa-redonda-sobre-residuos-de-biomassa-inicia-debates-do-8o-encontro-de-quimica-verde/27572

Veja também

Coworking inspirado no porto de Salvador recebe tratamento acústico decorativo da Trisoft Projeto assinado por arquiteta e designer de interiores traz reflexões sobre o transporte de culturas e historicidade que transitam a Baía de Todos os Santos Fonte: Trisoft A Trisoft, maior empresa da América Latina em produção de itens derivados de fibras de garrafas PET, firmou parceria com a arquiteta e design de interiores Thais Vaz, que desenvolveu um coworking inspirado na cultura baiana. Com os elementos acústicos fornecidos pela Trisoft, a profissional combinou uma junção de estruturas metálicas e o concreto, aliados ao uso de cores que remetem aos contêineres, conferindo-lhe padrões para um mobiliário que propõe romper a formalidade dos ambientes de trabalho. Intitulado pela arquiteta como “Doca 31”, o espaço transfere sofisticação e modernidade, por meio de um ambiente que contempla aconchego e acolhimento, estimulando a interação com o espaço através de condições sensoriais que geram relações, conforto e criatividade. Os produtos Trisoft presentes neste ambiente são as Nuvens Decor, Baffles Decor e Revest Frame Decor – confira detalhes abaixo. Nuvem Decor Trisoft As nuvens acústicas são painéis acústicos que aliam alta performance, beleza e leveza aos ambientes. São elementos suspensos que absorvem duas vezes mais os ruídos, podem ser aplicados em quaisquer tipos de ambientes, e contribuem com a estética dos espaços aéreos dos projetos de arquitetura. Os produtos oferecem segurança, são 100% recicláveis, fabricados com lã de PET, não mofam com a umidade, atuam como isolante acústico, fáceis de transportar e instalar, resistentes ao fogo e autoextinguível (Classificação II-A IT 10 do Corpo de Bombeiros), e podem ser aplicados em quaisquer tipos de ambientes internos. BafflesDecor Trisoft Aliam beleza, funcionalidade e versatilidade em projetos de design de interior. São elementos suspensos que absorvem duas vezes mais os ruídos. Produzidos em lã de PET, são indicados para ambientes que necessitam de tratamento acústico como restaurantes, praças de alimentação, shopping centers, salas de aula, salas comerciais, saguões de hotel, salões de aeroportos, etc. Devem ser aplicados abaixo do forro, verticalmente, através de cabos reguláveis respeitando as indicações do projeto acústico, em ambientes internos. Os produtos oferecem segurança, são 100% recicláveis, fabricados com lã de PET, não mofam com a umidade, atuam como isolante acústico, fáceis de transportar e instalar, resistentes ao fogo e autoextinguível (Classificação II-A IT 10 do Corpo de Bombeiros). Revest Frame Decor Indicado para revestimentos de paredes melhoram a inteligibilidade do som, reduzindo a reverberação no ambiente. A junta seca dos painéis proporciona ótimo acabamento estético, ideal para quem busca flexibilidade de projeto e personalização de ambientes. Além da absorção sonora o Revest Frame também contribui como elemento decorativo, em diversas cores, com opções lisas e estampadas. São resistentes ao fogo e autoextinguível (Classificação II-A IT 10 do Corpo de Bombeiros), e podem ser aplicados em quaisquer tipos de ambientes internos. SAC Trisoft:+55 (11) 4143-7900| www.trisoft.com.br

06/11/2018

Comentários